“A APAE é feita de esforços e atitudes
transformadoras, motivadas por
integrantes que acreditam no mesmo sonho.”
“Associação de Pais e Amigos
dos Excepcionais

 

 

 

Unidades de Serviço mantidas pela APAE de Brusque:

A Clínica de Terapia Integrada Uni Duni Tê – Integrar para Estimular – é uma unidade de serviço da APAE de Brusque criada em 25 de Setembro de 1991, com o objetivo de atender as necessidades da comunidade no acompanhamento e intervenções no desenvolvimento infantil de crianças de 00 a 05 anos e 11 meses.
 
O Centro Educacional Santa Inês atende pessoas com deficiência intelectual, associada ou não a outras deficiências e com transtornos invasivos do desenvolvimento, a partir dos 05 anos e 11 meses.
 
Atende pessoas acima de 21 anos, com deficiência intelectual, associada ou não a outras deficiências, que apresentem semi-dependência e/ou dependência nas atividades de vida diária e que não possuam perspectivas de inclusão no mercado de trabalho competitivo, cooperado ou protegido.

Quem Somos

A APAE de Brusque foi criada há 60 anos a partir da iniciativa do Dr. Carlos e sua esposa D. Ruth de Sá Moritz, que buscavam serviços que pudessem atender seu filho Pierre.

Em 1955, ao retornar a Brusque depois de buscar referências deste tipo de trabalho, Dr. Carlos liderou um movimento para aquisição do terreno e construção da escola que funcionaria nos moldes do Instituto Santa Lúcia do Rio de Janeiro. Em reunião realizada na residência do casal Moritz, no dia 14 de setembro de 1955, com a participação dos senhores: Dr. Carlos Moritz, Oscar Gustavo Krieger, Cyro Gevaerd, Bruno Moritz, Ayres Gevaerd, Bruno Maluche, foi fundada a APAE de Brusque e constituída  a primeira Diretoria “provisória”, tendo como presidente, Dr. Carlos Moritz.

Ao longo desta trajetória, outros pais e amigos foram se juntando à caminhada, visando o fortalecimento  da Entidade e qualificação dos serviços a serem prestados.

Hoje, a APAE de Brusque, diferentemente de outras Entidades do gênero, possui a Clínica de Terapia Integrada Uni Duni Tê que atende crianças de 00 a 06 anos de idade,  o centro educacional especializado no atendimento de pessoas acima de 06 anos de idade e  o centro de Convivência Ruth de Sá.

O Centro de Convivência Ruth de Sá  foi implantado  no ano de 2001, para atender a pessoas com deficiência mental acima de 21 anos ou em processo de envelhecimento, com dependência ou semi-dependência nas atividades de vida diária, sem possibilidade de inserção no mercado competitivo ou protegido, em período integral. Os serviços visam proporcionar aos usuários, através de atividades educativas, de saúde, ocupacionais e de lazer, a manutenção e o desenvolvimento de suas potencialidades físicas, sociais, emocionais e intelectuais, promovendo o bem estar, a qualidade de vida e a inclusão social.

 

Vídeos Mais Vídeos


Últimas Notícias

Apae de Brusque divulga ganhadores da Rifa de 2020 da entidade


A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Brusque realizou na segunda-feira, 30 de novembro, a divulgação dos ganhadores da Rifa de 2020 da entidade.
Na oportunidade foram divulgados os nomes dos vencedores dos prêmios, com a abertura dos lotes de blocos. O evento foi realizado na sede da instituição e, devido às medidas de prevenção contra a Covid-19, contou com a presença de poucas pessoas, como alguns integrantes da diretoria da Apae e colaboradores.

Sorteio
Em mais um ano, o sorteio da rifa aconteceu pela combinação do sorteio realizado pela Loteria Federal no último sábado, 28 de novembro. Na sexta-feira, 27, todos os canhotos dos blocos vendidos foram lacrados na sede da entidade e ficaram guardados na agência dos Correios. Nesta segunda-feira, 30, os lotes foram abertos para a conferência dos números resultantes da combinação do sorteio divulgados.

Ganhadores
Em seguida, foram anunciados os ganhadores desta edição da Festa. O primeiro prêmio da rifa, um Renault KWID Zen, 0km com itens de série, foi para Torfres Metalúrgica, de Guabiruba. O segundo prêmio, uma E-Scooter Foston + jaqueta e calça protetora não teve ganhador, já que a combinação dos números sorteados resultou em um bilhete que não foi vendido.
O terceiro prêmio foi para Matheus Zen Fantini, que ganhou um vídeo game Nintendo Switch.
Assim como o segundo prêmio, o quarto item sorteado, um patinete elétrico também não teve ganhador, já que o bilhete não foi vendido.
O quinto e último prêmio, um kit de depurador de ambiente, forno elétrico e um fogão cooktop de quatro bocas, teve como ganhador Hentoni Habitzreuter.
Nesta quarta-feira, 2 de dezembro, haverá um novo sorteio, pela Loteria Federal, para os dois prêmios que não tiveram bilhetes vendidos. Desta forma, na quinta-feira, 3, a Apae de Brusque fará novamente a abertura dos lotes e divulgação dos contemplados.

Balanço
Na oportunidade também foi divulgado o balanço geral da edição de 2020 da Rifa, que totalizou para a entidade o valor líquido de R$ 150.800,00. “Neste ano tão atípico para toda a sociedade e entidades, esse valor é muito significativo para auxiliar a Apae de Brusque. Apesar dos atendimentos remotos e reduzidos, a entidade precisa honrar suas despesas mensais e manter toda a sua estrutura, já que muitos eventos de arrecadação foram cancelados. Então, agradecemos a todos os que contribuíram com a aquisição e venda dos bilhetes, que fizeram e irão fazer a diferença para a Apae de Brusque”, comentou o presidente da instituição, Renato Roda.

A Apae de Brusque
Fundada em 14 de setembro de 1955, em 2020 a Apae de Brusque celebra seus 65 anos. A instituição é a primeira Apae formada em Santa Catarina e a segunda constituída no Brasil. Seu início foi marcado após o nascimento de Pierre Moritz, filho dos saudosos Ruth e Carlos Moritz, e que ainda é um dos alunos da entidade. Com ele, cerca de 280 alunos recebem atendimento.
Ao longo da trajetória da Apae, pais e amigos se juntaram à caminhada e contribuem de forma permanente, visando o fortalecimento da instituição e a qualidade dos serviços prestados. A Apae Brusque oferece atendimento gratuito em todas as suas frentes de atuação: Clínica Uni Duni Tê, Instituto Santa Inês e Centro de Convivência Ruth de Sá.
Desde as medidas restritivas, adotadas em função da pandemia do Covid-19, os atendimentos presenciais foram suspensos, sendo mantidos apenas os Testes do Pezinho e da Orelhinha, mediante a agendamento, realizados pela Clínica Uni Duni Tê, bem como atendimentos individuais na área de saúde, igualmente agendados, para os alunos das três unidades que compõe a Apae.


Ganhadores da Rifa da de 2020 da Apae de Brusque:
(Sorteio realizado pela Loteria Federal no sábado, 28/11/2020)

-1º prêmio: um Renault KWID Zen, 0km com itens de série
Número: 46.030
Ganhador: Torfres Metalúrgica (Guabiruba)

-2º prêmio: uma E-Scooter Foston + jaqueta e calça protetora
Número: 74.029
Ganhador: bilhete não vendido*

-3º prêmio: um vídeo game Nintendo Switch
Número: 10.431
Ganhador: Matheus Zen Fantini

-4º prêmio: um patinete elétrico
Número: 68.889
Ganhador: bilhete não vendido*

-5º prêmio: kit de depurador de ambiente + forno elétrico + fogão cooktop de quatro bocas
Número: 46.014
Ganhadora: Hentoni Habitzreuter

*Para o segundo e quarto prêmio será realizado um novo sorteio, também pela Loteria Federal, nesta quarta-feira, 2/12. A divulgação será realizada pela Apae na quinta-feira, 3/12.

Leia +01/12/2020

Apae de Brusque desenvolve projeto de habilidades artesanais com familiares de alunos

Fazendo Arte na Quarentena’ tem como objetivo motivar o desenvolvimento de atividades manuais feitas pelas cuidadoras dos alunos


Com a interrupção dos atendimentos presenciais e os diversos impactos causados pela pandemia da Covid-19, desde o mês de março desde ano, os alunos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Brusque passaram a ficar em casa, tendo atendimento de forma remota e on-line com os profissionais da instituição. Mas, não apenas a rotina dos alunos foi impactada já que, com a permanência em casa, os familiares dos alunos também precisaram adaptar suas atividades para os cuidados, em tempo integral, com as pessoas com deficiência.
Desde o mês de agosto deste ano, entretanto, um projeto passou a fazer a diferença na rotina de cuidadores dos alunos da Apae de Brusque: o ‘Fazendo Arte na Quarentena’. A iniciativa, da assistente social da Apae de Brusque, Jeane Medeiros de Souto, tem como objetivo estimular as cuidadoras dos alunos a desenvolverem suas habilidades, por meio de atividades manuais de seu interesse, a serem realizadas, em âmbito doméstico.
A assistente social relata que durante os atendimentos remotos foi perceptível, através dos relatos das famílias, o desânimo e até indícios de depressão entre as cuidadoras. “Vimos que muitas mulheres, como mães e irmãs, haviam deixado de fazer atividades que elas praticavam antes da pandemia. Algumas até precisaram deixar o trabalho para se dedicar à pessoa com deficiência. E desta forma iniciamos o projeto, para instigar essas cuidadoras a desenvolver suas potencialidades, a resgatar a produção de atividades que estavam esquecidas ou a aprenderem novas habilidades, o que deu certo”, comenta Jeane.

Habilidades e empoderamento
A proposta do projeto foi apresentada e aprovada pela diretoria da Apae de Brusque e, através de um grupo criado pelo Whats App, as cuidadoras dos alunos interessadas passaram a receber orientações, trocar experiências e técnicas focadas no desenvolvimento de trabalhos manuais. Com itens que elas tinham em casa surgiram os primeiros resultados: materiais em ponto cruz, bordados, itens em crochê, tapetes de fios de malha, sandálias bordadas com pedras, decoração com fitas, entre outros.
Com o tempo, a Apae de Brusque também contou com a doação de materiais e aviamentos, que foram disponibilizados as integrantes do Fazendo Arte da Quarentena, para dar continuidade às produções. “Esta foi a forma que encontramos em motivar essas cuidadoras no desenvolvimento das suas potencialidades, promovendo também a interação social entre elas e até fortalecendo os vínculos de amizade, mesmo que de forma virtual”, comenta Jeane.

Lançamento
Como forma de apresentar alguns itens produzidos pelas 13 cuidadoras que integram o projeto, o ‘Fazendo Arte na Quarentena’ terá os produtos lançados nesta quarta-feira, 25 de novembro, de forma on-line. Assim, o público poderá acompanhar por vídeos e fotos, disponibilizados nas redes sociais da Apae de Brusque (Instagram e Facebook), o trabalho realizado pelas cuidadoras dos alunos e integrantes do projeto da instituição. Os produtos serão apresentados como demonstração, de forma on-line, na oportunidade, já que a produção é das próprias mulheres, como forma de valorização do trabalho desenvolvido.
“A pandemia trouxe muita vulnerabilidade, mas também muitas possibilidades. Este projeto contribuiu não só para a ocupação e uma possível geração de renda dessas cuidadoras, mas também para elevar a autoestima, a criatividade, a concentração e a valoração delas enquanto mulheres. Com ele descobrimos o quanto elas são talentosas, fortes, guerreiras, que compartilharam saberes e experiências. É muito gratificante ver o resultado disso: algo simples e transformador. Temos muito a agradecer às participantes por terem topado a ideia e todo o mérito desse projeto vai para elas. Lidar com a deficiência é difícil e esse projeto é uma rede de apoio para elas, pois quando o cuidador está bem, quem é cuidado também está”, complementa Jeane.

Depoimentos
Entre as mulheres que integram o projeto está Antônia Marciel da Costa do Amaral, mãe da aluna da Apae, Ana Carla Costa do Amaral. Para ela, o projeto tornou-se não apenas sinônimo de ocupação, mas também de felicidade. “Tive a oportunidade de mostrar uma parte do meu trabalho manual durante esta pandemia, algo que estava esquecido há mais de 20 anos. Então, o pouco que tive oportunidade de fazer me deixou muito feliz. As pessoas gostaram e isso me motiva ainda mais”, comenta.
Para Roseli Siqueira Tomazzia, mãe do aluno Luiz Felipe S. Tomazzia, o projeto está apenas em sua fase inicial e deve render ainda mais frutos. “Esse projeto veio incentivar as mães a mostrarem os seus trabalhos. Cada peça é única, feita com muito amor e carinho e com certeza esse é só o primeiro passo para uma longa caminhada, de sucesso”, avalia.
Já Maria José Carriel, mãe da aluna da Apae, Keitlin Carriel Antunes, considera a participação no projeto como uma ‘cura’. “Comecei a fazer o crochê depois que tive depressão. Parei de trabalhar para cuidar da minha filha por conta da pandemia e, após participar do projeto, o crochê me ajudou a curar a doença, a me ocupar, a distrair a minha cabeça. Recomendo às mães e demais cuidadoras para que possam ocupar sua mente também e descobrir seus talentos”, relata.


SERVIÇO
-Lançamento dos produtos do projeto ‘Fazendo arte na Quarentena’
-A partir desta quarta-feira, 25 de novembro
-Nas redes sociais da Apae de Brusque (Instagram e Facebook)
-Mostra dos trabalhos produzidas pelas cuidadoras dos alunos do Instituto Santa Inês – Apae de Brusque
-Mais informações: (47) 99137-0573
Leia +25/11/2020

Agenda - Próximos Eventos

Vazio!

Aconteceu - Últimos Eventos

Apae realiza bazar com produtos apreendidos pela Receita Federal

Entre os dias 12 e 15 de novembro, das 8h às 17h, a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Brusque, estará realizando mais uma edição do bazar com produtos apreendidos pela Receita Federal. Na noite de quarta-feira, 11 de novembro, os portões da entidade permanecerão abertos, já que muitas pessoas costumam chegar durante a madrugada para garantir um bom lugar entre os primeiros compradores. A senha de acesso ao local, no entanto, passa a ser distribuída a partir das 7h de quinta-feira.
As regras são as mesmas das edições anteriores, com limite de compras fixado em R$ 700. Caso o produto adquirido ultrapasse o valor, apenas esta unidade poderá ser comprada. É importante que as pessoas estejam munidas de RG e CPF. Já a forma de pagamento será em dinheiro, cartão de crédito ou débito. Cheques não serão aceitos.
“Todas as construções que temos na instituição é graças ao bazar da Receita Federal. Nós fizemos um projeto de reforma de todas as nossas oficinas e fomos contemplados. A Receita Federal não autoriza bazares para o custeio das instituições. É um benefício exclusivo para investimento e, aqui, será destinado para melhorias das nossas oficinas”, explica o presidente da Apae, Sebastião Ernani Poia.
Todas as compras são acompanhadas por monitores, instruídos para explicar as especificidades de cada produto, com ênfase nos eletrônicos. Cada visita ao local terá a duração máxima de 30 minutos e não será permitida a entrada de acompanhantes.
“Este é o melhor bazar que já recebemos, com muitas mercadorias de maior valor agregado. É a primeira vez que recebemos, por exemplo, carretilhas eletrônicas para pescadores, além dos molinetes de pesca. Os perfumes vieram em pouca quantidade, mas com uma qualidade superior. Temos brinquedos para crianças, vestuário e acessórios para todas as idades, videogames, aparelhos celulares, equipamentos de som automotivo e eletrônicos em geral”, destaca o vice-presidente da Apae, Márcio Belli.
Tradicionalmente, o bazar com produtos apreendidos pela Receita Federal é conhecido pelos preços atrativos. Este, especificamente, mantém tabela com valores fixados do ano passado, ainda na baixa do dólar, o que pode ser uma boa opção para quem planeja antecipar as compras de Natal. Vale apenas ressaltar que não há garantia para os produtos adquiridos e que não serão aceitas trocas ou devoluções.

Compras limitadas

Item Quantidade máxima
Brinquedos 15 unidades
Artigos de bazar 15 unidades
Equipamentos eletrônicos 2 unidades
Relógios de pulso 5 unidades
Instrumentos musicais 1 unidade
Vestuário 12 unidades
Perfumes e cosméticos 5 unidades

Foto: Bazar
Crédito das fotos: Guédria Motta
Legenda: O presidente da Apae, Sebastião Ernani Poia e o vice-presidente, Márcio Belli, ao lado dos voluntários, trabalham na organização do bazar com produtos apreendidos pela Receita Federal
Leia +10/11/2015

Apae de Brusque participa de Audiência Pública sobre a situação dos idosos com deficiência

A Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Brusque, participou nesta quinta-feira, 24 de setembro, da Audiência Pública "A situação do idoso com deficiência em Santa Catarina na perspectiva da saúde, acessibilidade e qualidade de vida”. O evento, realizado na Faculdade São Luiz, foi proposto pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) e reuniu lideranças políticas, representantes de outras entidades assistenciais da região, além da comunidade de modo geral.
Em torno de 60 alunos da Apae de Brusque, a maioria do Centro de Convivência Rute de Sá (Cecon) também participaram da audiência, entre eles o primeiro aluno da entidade, Pierre Moritz, que ao lado de demais autoridades fez a composição da mesa no evento. Professores e coordenadores da Apae de Brusque também prestigiaram a sessão na oportunidade.

Diagnóstico
A audiência pública realizada em Brusque é uma das cinco que tratam do tema no Estado, que já ocorreram em Urubici, no mês de agosto, e em Penha no último dia 15. Além de Brusque, estão previstos ainda debates em São José e Laguna. A proponente do evento foi a deputada estadual Dirce Heiderscheidt (PMDB), coordenadora do Fórum Parlamentar em Defesa da Pessoa Idosa na Assembléia Legislativa. Segundo ela, o objetivo das audiências é ver quais são as principais demandas nas regiões para sejam feitos diagnósticos de quantas pessoas idosas deficientes existem no estado e quais as suas principais necessidades. “A nossa preocupação é estar nas cidades, discutir esse tema e verificar a possibilidade de melhorias nas políticas públicas voltadas aos nossos idosos para que eles possam envelhecer com dignidade, em especial os que possuem alguma deficiência. Queremos fazer esse diagnóstico e levar aos nossos governantes, desde prefeitos até a presidente do país”, comentou.

Apoio do poder público
Para o presidente da Apae de Brusque, Sebastião Ernani Póia, é através do poder público que entidades como a Apae de Brusque podem desenvolver, cada vez mais, trabalhos com pessoas com deficiência na terceira idade. “Alguns dos nossos alunos que são idosos já não têm mais os pais e dependem de outros familiares, ou de terceiros. Sabemos que somente a Apae não tem como realizar um trabalho contínuo com essas pessoas, já que o ideal é que no futuro esses alunos até possam ficar permanentemente na instituição. A partir dessas discussões propostas, nessa e em outras reuniões da Alesc, esperamos que possam surgir documentos e quem sabe leis que trarão resultados positivos perante ao poder público para nos apoiar nessa causa”, declarou.
O gerente de Educação da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional (SDR) de Brusque, Rodrigo Cesari, no ato representou o secretário da pasta, Ewaldo Ristow Filho, também acredita é por meio de discussões e da conscientização que será possível garantir aos idosos deficientes, mais qualidade de vida. “Todos nós queremos e temos a vontade de envelhecer com dignidade, e as pessoas deficientes da mesma forma têm esse direito. Acredito que o trabalho é muito mais da conscientização, em especial da nossa juventude, sobre a necessidade da doação a essas pessoas e dos cuidados necessários com elas. Essa audiência é um passo muito importante, e esperamos colher bons frutos a partir disso”, completou.

Participaram ainda do evento o deputado estadual Serafim Venzon (PSDB) e a presidente do Conselho Municipal do Idoso, Silvia Kuhnen.
Leia +25/09/2015